Assine Gestão Escolar
Revistas do mês
Gestão Escolar
Nova Escola
publicidade

Um plano de metas para atingir em 2013

Defina logo no começo do ano as ações que vão garantir a alfabetização, reduzir a repetência e acabar com a evasão. E descubra como a equipe gestora de três escolas alcançaram esses objetivos

Verônica Fraidenraich

|< < Página de > >|
=== PARTE 1 ====
=== PARTE 2 ====

Foco na leitura e na escrita
Escola de Utinga garante a alfabetização com acompanhamento do aprendizado e atividades diversificadas segundo os saberes dos alunos

Maria Dilza
(à esquerda) e Carla apostam em ações para aproximar
os alunos
dos livros. Foto: Jader Jaques
SALA CONCORRIDA Maria Dilza (à esquerda) e Carla apostam em ações para aproximar os alunos dos livros

No diagnóstico realizado em novembro, 74 dos 78 alunos dos três primeiros anos da EM Coronel Odilon Alves Peixoto de Athayde, localizada em Utinga, a 437 quilômetros de Salvador, estavam alfabéticos. Os outros quatro, a um passo de atingir esse nível. O sucesso em ter todos alfabetizados aos 8 anos é fruto de um acompanhamento sistemático do desempenho das turmas e de reuniões semanais de planejamento que permitem trabalhar atividades ajustadas às necessidades de cada criança.

Os estudantes que precisam de apoio extra são chamados a participar de aulas de reforço no contraturno, três vezes por semana, reunidos segundo as dificuldades que apresentam. Em reuniões quinzenais, o professor desse grupo - destacado do quadro da escola - conversa com o titular para saber quais conteúdos devem ser intensificados. "A direção participa dos encontros para saber as providências que precisam ser tomadas a fim de garantir o espaço e o material necessários", explica Carla Ribeiro do Nascimento, coordenadora pedagógica do 1º ao 5º ano. A diretora, Maria Dilza Santos Reis Silva, afirma que essa articulação da equipe é um dos fatores responsáveis pelo aprendizado: "As atividades são decididas nos encontros pedagógicos e são revisadas rapidamente quando os objetivos não estão sendo atingidos".

Fazer com que os alunos se envolvam em diferentes situações de leitura a fim de se tornarem leitores competentes faz parte da proposta pedagógica de toda a escola, que atende do 1° ao 9° ano do Ensino Fundamental e o Ensino Médio. O acervo de livros não é grande, mas a sala de leitura é concorrida graças às várias propostas. Uma delas é o projeto de leitura simultânea, em que os docentes do 1º ao 5º ano leem, no mesmo dia e horário, um trecho de um livro para a turma. Os alunos escolhem a história que querem ouvir lendo as resenhas expostas em cartazes nos corredores. A ideia é instigá-los a pegar o livro emprestado para ler o resto do texto em casa.

A Odilon conta também com uma professora especializada em alfabetização. Sirleide Dias trabalha lá há seis anos. Geralmente dá aulas para o 1º ano, quando não é chamada a assumir turmas que têm alunos com mais dificuldade na leitura e escrita.

Há três anos, a escola aumentou de quatro para seis o número de avaliações anuais das séries iniciais do Ensino Fundamental. Isso ajuda a detectar os problemas assim que eles aparecem - e resolvê-los. Quem já sabe ler e escrever também tem atenção especial: "Eles recebem atividades extras de compreensão de texto para ganhar autonomia como leitores", explica Marlene Bodnachuk, supervisora da rede.

Garantir a alfabetização

Quantificar o número de alunos não alfabéticos Com base na avaliação inicial e no resultado da Provinha Brasil - ou de exames similares estaduais ou municipais -, levante quantos alunos do 2º e 3º anos ainda não estão alfabetizados. Identifique o que já sabem e o que ainda precisam aprender para embasar o planejamento de projetos e atividades. 

Refletir sobre os resultados Com base no diagnóstico levantado e nos dados dos alunos, prepare um roteiro de perguntas a fim de averiguar com a equipe gestora os fatores que impactaram os resultados. Algumas sugestões: 
- Há descompasso entre o que as crianças aprendem e o que deveriam aprender? 
- Os materiais existentes na escola são disponibilizados aos professores e aos alunos? 
- Os livros são usados com regularidade? A quantidade atende à demanda? 
- Os professores são assíduos e participam das reuniões de planejamento e de formação continuada? 
- Os instrumentos de avaliação contribuem para rever as condições e os processos de ensino?

Formar professores Junto à coordenação pedagógica, analise as estratégias formativas necessárias para que o corpo docente se capacite e consiga atender cada um dos alunos não alfabéticos. 

Revisar as metas Assegure espaço, tempo e material para as reuniões de formação e para que a coordenação pedagógica tenha tempo de observar o desempenho do professor em sala de aula. É importante também revisar as metas de curto e médio prazos periodicamente, a fim de avaliar as ações efetivas e intensificá-las, e ajustar as que não estão dando resultado. 

Assegurar a infraestrutura Para montar turmas de apoio, é preciso reservar uma sala e realocar os docentes, além de prever o material necessário e garantir os encontros entre o professor da classe e o do reforço. 

Criar um ambiente alfabetizador Listas de nomes próprios nas paredes, cartazes, murais com a produção escrita dos alunos e a presença de textos em diversos suportes favorecem a participação das crianças em atividades de leitura e escrita. 

Promover a leitura Torne essa uma ação rotineira na escola, com rodas de leitura pelo professor diariamente. Para ampliar o acervo de livros e contemplar gêneros variados, vale recorrer ao Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) ou a projetos similares da rede. 

Estimular a participação dos funcionários A leitura pode se transformar em um valor da equipe escolar quando todos os funcionários são convidados a participar dos encontros em que são lidas histórias para os alunos - ou mesmo ter momentos somente para eles -, a frequentar a biblioteca e a tomar livros empresados. 

Considerar as necessidades especiais O PPP deve prever a flexibilização das situações de ensino, com recursos visuais, sonoros e táteis para crianças com necessidades educacionais especiais. Se não houver um especialista nesse assunto na escola, é possível acionar a Secretaria de Educação para obter o material necessário.

=== PARTE 3 ====
=== PARTE 4 ====

|< < Página de > >|
Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine GESTÃO ESCOLAR e receba muito mais conteúdo a cada edição!

 

Publicado em GESTAO ESCOLAR, Edição 017, Dezembro 2011/Janeiro 2012. Título original: Um plano de metas para 2013
Comentários

 

 Garanta já a sua revista! Assinaturas, edições impressas e digitais

Assine suas revistas impressas ou digitais!

Compre suas revistas impressas!

Compre suas revistas digitais e e-books!

Gestão Escolar
  Patrocínio       Editora ÁticaEditora ScipioneEdições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.