Assine Gestão Escolar
Revista do mês
Gestão Escolar
Assine Gestão Escolar
publicidade

Desvios de função do coordenador pedagógico

A falta de clareza sobre as atribuições do cargo bagunça a rotina do formador e traz sobrecarga de tarefas

Dagmar Serpa

Perfil secretário. Ilustração: Orlando
Quando o coordenador assume  o papel de secretário, por exemplo,  é desviado de sua função essencial: formar professores

Organizar os horários de uso da biblioteca, dar uma força aos funcionários na época de matrícula e conversar com os pais. Demandas demais e de todos os tipos vão parar nas mãos dos coordenadores pedagógicos, constatou a pesquisa O Coordenador Pedagógico e a Formação de Professores: Intenções, Tensões e Contradições, encomendada pela Fundação Victor Civita (FVC) à Fundação Carlos Chagas (FCC). Atolados em afazeres, muitos não conseguem atuar satisfatoriamente na formação em serviço dos professores, que é a sua função prioritária. Assim, esses profissionais assumem papéis equivocados, como o de "psicólogo" ou "relações-públicas", às vezes sem se dar conta disso.

Apesar de 87% dos 400 entrevistados em 13 capitais brasileiras na fase quantitativa do estudo terem apontado a gestão da aprendizagem como uma atividade da sua responsabilidade, só 17% citaram a observação da dinâmica da sala de aula - uma das principais estratégias formativas - como parte da sua rotina. Existem ainda 19% que declaram substituir pessoalmente, uma ou duas vezes por semana, algum professor que falta, quando poderiam apenas contribuir na criação de um plano para lidar com esse tipo de emergência. Já 26% reconheceram ser insuficiente o tempo dedicado ao projeto político-pedagógico (PPP), cuja criação coletiva se constitui numa atividade-chave no processo de aprimoramento da função docente. E uma parcela, embora pequena (9%), simplesmente não tem em seus afazeres nenhuma atividade relacionada à formação.

A pesquisa concluiu que eles se descuidam da essência do trabalho e se ocupam de tarefas secundárias porque falta clareza sobre qual é exatamente o seu papel. ''Os próprios coordenadores não sabem as fronteiras do seu papel e, por isso, aceitam todas as demandas que lhe são dadas, fazendo coisas demais por não terem a compreensão de que são formadores'', ressalta Ana Maria Falcão de Aragão, da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O quadro é de uma profissão que ainda está em processo de construção. ''Como não existe uma identidade constituída, o coordenador tenta delineá-la no dia a dia. Diante das imposições que surgem, ele faz o que acredita pertencer à sua esfera de competência'', diz Laurinda Ramalho de Almeida, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Nem sempre acerta nas prioridades.

Confira seis papéis que o profissional da coordenação pedagógica corre o risco de assumir - e como evitar que isso aconteça.

Compartilhe

Gostou desta reportagem? Assine GESTÃO ESCOLAR
e receba muito mais conteúdo a cada edição!

 

Publicado em GESTAO ESCOLAR, Edição 014, Junho/Julho 2011. Título original: As faces equivocadas
Comentários

 

 Assine já a sua revista!
Gestão Escolar
  Patrocínio     Edições SM

Fundação Victor Civita © 2013 - Todos os direitos reservados.